Festival das Abelhas Sem Ferrão na Horta das Corujas

A primavera vem aí e vamos preparar nossa querida horta para receber novas colmeias de abelhas nativas sem ferrão. Aos poucos queremos que a Horta das Corujas se torne um santuário para essas espécies muito importantes na polinização e ameaçadas de extinção.
O pessoal do SOS Resgate de Abelhas Sem Ferrão vai dar uma miniaula sobre o assunto e espalharemos pela horta iscas/refúgios para atrair as princesas que na primavera formarão novas colmeias. Lembrando que a horta já possui um meliponário de jataís.
As abelhas nativas sem ferrão não picam e não oferecem perigo algum para as pessoas.
Venha e, se puder, traga mudas de flores para plantar na horta. Por favor NÃO traga mudas de árvores. A subprefeitura e os voluntários pedem que não sejam plantadas árvores na Horta das Corujas.

O excesso de sombra poderá inviabilizar o cultivo de hortaliças e a praça, de acordo com os técnicos da prefeitura, já tem árvores suficientes. Para quem tem vontade de deixar a cidade mais verde recomendamos plantar nas calçadas e estudar o assunto aqui para fazer da maneira correta:http://pt.wikiversity.org/wiki/Arborização_Urbana

Dia: Domingo, 24/08/14
Hora: das 10h30 às 12h30
Local: Horta das Corujas

Meliponário

Publicado em Convite, Oficina | 1 comentário

Oficina de Sementeira

Minhas Plantas, agosto de 2014

Localizado num ponto estratégico de São Paulo – vizinho do Parque Villa-Lobos e bem próximo ao Ceagesp, entreposto que comercializa flores para todo o Estado –, o Viveiro Pinheiros abre as portas para ministrar uma aula gratuita de sementeiras. A iniciativa não poderia vir em melhor hora, uma vez que cresce o interesse das pessoas por cultivar em casa seus próprios temperos e hortaliças, oferecendo à família verduras frescas e livres de agrotóxicos.

Muita gente tem dificuldade em começar uma pequena horta de sementes porque elas tardam a crescer e exigem mais cuidados. Podem ser alvo do ataque de formigas e passarinhos, algumas se negam a germinar e as que o fazem precisam ser mantidas úmidas, para não morrerem com a desidratação. Parece tudo muito complicado, mas as sementeiras são tão simples que até uma criança é capaz de mantê-las, desde que siga algumas dicas básicas, que vão garantir a germinação e o crescimento das mudinhas.

O evento é gratuito, fruto de uma parceria entre a subprefeitura de Pinheiros, as secretarias municipais de Saúde, Educação e Verde e do Meio Ambiente, além dos Cades de Lapa e Pinheiros, da Sociedade Amigos do Alto de Pinheiros e do Projeto Composta São Paulo. Vá e se prepare para a-do-rar sujar as mãos de terra.

Informações

Oficina Gratuita de Sementeira
Data: 16/08, das 10h às 12h
Local: Viveiro Pinheiros, Av. Arruda Botelho, 88 (em frente ao Colégio Santa Cruz), São Paulo (SP)
Investimento: gratuito

 

Publicado em Convite, Oficina | 1 comentário

Já pensou em plantar uma horta com o seu vizinho e trocar alimentos com ele? É possível!

Razões para Acreditar, 9/06/14, Pedro Henrique Costa

Pode esquecer aquele papo de que o jardim do vizinho é sempre mais verde que o seu. Porque, nesta matéria, vocês vão descobrir a beleza de compartilhar o verde de um mesmo jardim. Ou, sendo mais específico, de uma mesma horta.

O fotógrafo e ambientalista francês Yann Arthus-Bertrand capturou uma bela imagem de um bairro em Genebra, Suíça, onde podemos observar várias hortas urbanas comunitárias. O clique foi feito na Avenida de Crozet e, além da beleza estética, também serve como incentivo para comunidades que desejam ter suas próprias plantações:

hortaess

Em seu site, Yann explica que as hortas urbanas começaram a ganhar força na Europa durante o século 19. E completa explicando que o físico alemão Moritz Schreber foi o grande responsável por isso, ao incentivar que as cidades tivessem mais áreas verdes para o lazer das famílias. Aos poucos, as comunidades passaram a ter espaços para plantar seus próprios alimentos.

A Suíça está entre os países que aderiram ao movimento. O fotógrafo francês estima que o bairro de hortas em Genebra seja apenas uma pequena parte dos 50 mil hectares de hortas urbanas espalhados pelo país europeu. Na Rússia, mais de 72% das famílias que moram em áreas urbanas plantam parte de seus alimentos em seu próprio jardim e somente em Berlim, a estimativa é de que haja 80 mil “fazendeiros” urbanos.

As hortas comunitárias têm ganhado cada vez mais espaço em todo o mundo. Elas funcionam como fonte de alimento orgânico e também como ferramenta para a integração social. Trazendo o conceito para a realidade dos grandes centros urbanos brasileiros:

Você já pensou em plantar uma horta no seu prédio? Já imaginou como isso é simples e possível?

Caso você precise de mais incentivo visual, aí vão mais fotos de hortas urbanos espalhadas pelo mundo. Algumas, inclusive, estão no Brasil (uma delas, pasmem, na avenida mais famosa de São Paulo).

 

No Japão, o projeto Soradofarm incentiva a criação de jardins e hortas nos telhados das estações de trem e metrô.

 

Em Nova York, EUA, as fazendas urbanas surgem como uma das armas para combater a obesidade, um problema que atinge com força a sociedade norte-americana.

 

Em São Paulo, os agricultores urbanos transformam espaços públicos em área para o cultivo. Até mesmo a Avenida Paulista, a mais famosa da cidade, já tem uma horta comunitária.

Agora é com você! :)

Publicado em Horta urbana no mundo | Deixe um comentário

São Paulo recebe a Mostra Rios e Ruas com caminhada pelo Riacho da Coruja

Webrun, 29/05/2014

Mostra alertará para a importância da revitalização dos rios por meio da arte e contará com presença de ultramaratonista

Acontecerá no próximo dia 31 de maio, às 10h30, na Praça Victor Civita (São Paulo), uma intervenção que faz parte da agenda do Planeta no Parque 2014.

Divulgação do Planeta no Parque na Linha Amarela do Metrô. Foto: Divulgação.Divulgação do Planeta no Parque na Linha Amarela do Metrô. Foto: Divulgação.

Será uma expedição com 100 pessoas, que sairá da Vila Madalena para caminhar o curso do Riacho das Corujas, que nasce na rua Heitor Penteado, o ponto de partida. A caminhada continuará em direção à Zona Sul da cidade, passando por pontos como a Praça das Corujas, onde um trecho do rio é ao ar livre e usado, inclusive, para regar a horta comunitária da região. O trajeto terminará no Rio Pinheiros, a uma quadra da Praça Victor Civita, onde o Corujas está canalizado, enterrado sob o canteiro central da Avenida Frederico Hermann Jr.

Também participará desta programação o ultramaratonista Carlos Dias, que correrá 30 quilômetros até o local da mostra, a partir do Jardim Botânico, onde está a nascente do rio Pirarungaua.

Idealizada por Charles Groisman e com curadoria de Marcello Dantas, a mostra faz parte do projeto homônimo, que desde 2010 identifica as principais bacias hidrográficas de São Paulo, soterradas ou não pelo crescimento urbano. “Nosso objetivo é ajudar na redescoberta de cada rio e riacho da capital paulista, conscientizando sobre sua importância e existência, por meio da arte, e reconectando o cidadão urbano à natureza”, explica Charles.

Para os visitantes da mostra Rios e Ruas, o final de semana na Praça Victor Civita reserva ainda diversas atividades, desde aulas de ioga e pilates até show com os cientistas do Mad Science (empresa canadense especializada em entretenimento infantil). O grupo Pia Fraus também participará com espetáculos de música e dança.

Programação Planeta no Parque 2014

Praça Victor Civita

Sábado, 31 de maio

8h – Ioga para iniciantes

9h – Ioga

10h – Pilates

11h às 13h – Expedição Rios e Ruas

14h – show “O que você sabe sobre H2O?”, do Mad Science

15h – show “Bichos do Brasil”, do grupo Pia Fraus

Domingo, 1º de junho

8h – Ioga para iniciantes

9h – Ioga

10h – Pilates

11h às 13h – Oficina Rios e Ruas

14h – Show “O que você sabe sobre H2O?”, do Mad Science

15h – Show “Gigantes de Ar”, do grupo Pia Fraus

Parque Villa Lobos

Sábado, 31 de maio

11h30 – Pocket show “Gigantes de Ar”, do grupo Pia Fraus

15h – Pocket show “Gigantes de Ar”, do grupo Pia Fraus

Domingo, 1º de junho

11h30 – Pocket show “Bichos do Brasil”, do grupo Pia Fraus

15h – Pocket show “Bichos do Brasil”, do grupo Pia Fraus

Expedição Rios e Ruas

Saída: Rua Werner Sack, 8 (esquina com a Heitor Penteado)

Chegada: Praça Victor Civita

Inscrições e mais informações: www.mostrarioseruas.com.br

Publicado em Água, Córrego das Corujas, Horta na Mídia, Praça das Corujas | Deixe um comentário

Colheita da cidadania

1 Papo Reto, 14/05/2014, por Rosenildo Ferreira

Áreas urbanas abandonadas, praças e até pequenos espaços em calçadas podem servir para criação de hortas, onde brotam alimentos e também cidadania. Essa é a dica de Claudia Visoni

Dizem que os homens, e também as mulheres, são o resultado de suas circunstâncias. A paulistana Claudia Visoni, 48 anos, contudo, criou suas próprias circunstâncias ao dar uma guinada na carreira e em seu estilo de vida. Dona de uma trajetória consolidada no jornalismo, ela se reinventou em 2008 ao decidir adotar uma alimentação mais saudável e entender melhor o que eram os tais produtos orgânicos. Em 2011, Claudia ajudou a fundar o grupo Hortelões Urbanos, no Facebook, que reúne hoje quase nove mil pessoas que valorizam este tipo de produtos e que também gostam de pôr a mão na terra. Literalmente.

Hortelão é aquele que cuida da horta e uma delas, na Vila Madalena, zona oeste de São Paulo, se tornou referência. Não apenas no bairro, como também na cidade e no Brasil. A múltiplas reportagens em jornais, revistas e emissoras de televisão feitas sobre o projeto deixam isso bastante claro.

A iniciativa também inclui uma horta na avenida Paulista, um dos mais famosos cartões-postais da cidade, outra no bairro da Pompéia, também na zona oeste, e a terceira na Vila Madalena.

Em entrevista a 1 Papo Reto, Claudia fala dessa trajetória de agricultura urbana e conta os benefícios de investir tempo e recursos nesse tipo de projeto. Afinal, já pensou se os espaços degradados, os terrenos baldios e as praças abandonadas se convertessem em áreas de lazer e ainda rendessem alimentos saudáveis? Nada mau, não é?

Quais foram os principais desafios, digamos, práticos, para colocar de pé esta horta comunitária?

Claudia Visoni na Horta das Corujas, na Vila Madalena (SP)

O processo foi bastante participativo e conseguimos que a subprefeitura (de Pinheiros) aceitasse receber a Horta das Corujas na Praça das Corujas. Como ainda não existe legislação a esse respeito, trata-se de um acordo informal (A história da criação da horta está contada nesse vídeo). Atualmente o principal desafio é engajar voluntários. Não existe uma cultura de trabalho voluntário em prol do bem comum em nosso país. E uma horta demanda cuidados frequentes. Existem muitos voluntários eventuais, mas poucos que se dispõem a doar algumas horas todas as semanas para cultivar um canteiro.

O que é mais gratificante para você neste trabalho: a possibilidade de levar uma vida mais saudável ou a experiência de mexer na terra e ver o ciclo completo dos alimentos que você e sua família consomem?
A agricultura urbana mudou minha vida, minha relação com a natureza, com a cidade e com os alimentos. Sou apaixonada por essa atividade por todas as razões que você colocou e, mais especificamente, pela possibilidade de entrar em contato com outras pessoas. Em torno de cada horta surge uma comunidade protetora, um grupo que tem como vínculo o desejo de cuidar daquele espaço. Falo sobre essa experiência maravilhosa nesse post.

A Horta das Corujas é um marco nesta campanha. O terreno foi ocupado na marra pela comunidade ou foi doado? Os produtos cultivados ali podem ser consumidos livremente?
Qualquer pessoa pode colher hortaliças na Horta das Corujas. Só pedimos que tomem cuidado para não danificar as plantas e que levem pouca quantidade, assim outras pessoas também podem viver essa experiência. O terreno é da prefeitura, não foi doado e nem está sendo ocupado por um grupo. Apenas resolvemos cultivar alimentos ali, o que, embora ainda não seja regulamentado pelas leis do município, não é proibido. A horta fica aberta o tempo todo e qualquer pessoa pode frequentar. Existe uma cerca baixa com portão sem tranca apenas para os cachorros não entrarem.

O que você recomendaria a uma pessoa que pretende levar uma vida mais natural, se engajar em causas deste tipo,  começando o trabalho com uma hortinha no quintal de casa?

Horta na avenida Paulista (SP)

Acho que a reconexão com a terra é importantíssima não só para nos sensibilizarmos e começar a cuidar melhor dos recursos naturais como também para melhorar a saúde física e mental. Mas o caminho cada um escolhe, de acordo com seus desejos, possibilidades e preferências. Se houver vontade de começar uma horta em casa, seguem algumas dicas (aqui).

Você tem notícias do impacto desta mobilização em torno de hortas urbanas, aqui em São Paulo e em outras cidades?

A Horta das Corujas foi a primeira horta comunitária em praça de São Paulo. Inspirou o surgimento de várias outras. E o movimento tem atraído atenção da mídia.

 

Nota do Autor: para saber mais sobre este tipo de atividade, clique em um dos links abaixo e boa colheita!

Dois projetos de agricultura urbana

Alimentos fresquinhos

Plantando relacionamentos

Publicado em Horta na Mídia, Horta urbana no mundo | Deixe um comentário

Expedição Rios e Ruas

Planeta Sustentável, 14/05/2014, por Suzana Camargo

Explorar e redescobrir nascentes e rios escondidos de nossos olhos é uma maneira que temos de nos apropriar novamente da natureza da nossa cidade. Este é um dos principais objetivos da iniciativa Rios e Ruas, que promove expedições por São Paulo para despertar a compreensão afetiva sobre a necessidade de trazermos à tona a água invisível sob nossos pés.

Durante esta edição do Planeta no Parque você está convidado a conhecer o Riacho das Corujas, um curso d’água muito especial, que divide os bairros de Vila Madalena e Vila Beatriz. O riacho possui uma nascente aberta e acessível, que jorra um fluxo de água contínuo, mesmo em épocas de seca. Parte de seu curso está a céu aberto, fluindo por toda a extensão de uma praça e por um pequeno parque linear.

Por ter sido incluído no Programa Córrego Limpo*, suas águas estão livres de grandes quantidades de esgoto por boa parte de sua extensão, sendo possível até observar peixinhos no leito.

377880_257870090939101_1451728549_n

Ficou interessado? Então venha participar conosco da Expedição Rios e Ruas. Partiremos no sábado, 31/05, às 11h, da rua Werner Sack, 8, próximo da Estação Vila Madalena do Metrô, seguindo a rua Heitor Penteado, alinhada com o Espigão do Caaguaçu, divisor de águas das bacias dos Rios Pinheiros e Tietê. No alto do divisor, adentraremos no vale do Corujas, passando por uma de suas nascentes.

foto: Edu Geraldes

Depois de observar como as águas das nascentes são capturadas por bueiros e direcionadas a galerias soterradas, continuaremos a percorrer o curso do riacho seguindo indícios de sua presença. Ao atingirmos a Praça das Corujas, poderemos ver o riacho correndo a céu aberto, além de visitarmos uma horta comunitária que usa água da nascente para irrigar o cultivo.

387425_257869247605852_1497620606_n

Em seguida chegaremos ao Parque Linear, onde poderemos ver onde o riacho passa a receber esgoto e volta novamente a adentrar uma galeria submersa. Tendo o relevo e outros indícios como referência, a expedição segue o curso do riacho até o ponto em que ele deságua no Rio Pinheiros, próximo à Praça Victor Civita, onde termina a expedição.

O percurso total será de 3,5 km e deve durar cerca de duas horas. Confira o itinerárioaquiMas atenção, as vagas são limitadas! Envie seu nome completo para psustentavel@abril.com.br e aguarde a confirmação da sua inscrição.

Contamos com a sua presença! Ao final da caminhada, aproveite a programação doPlaneta no Parque 2014, com oficinas, teatro e ioga.

*Programa Córrego Limpo

Leia também:
Rios e Ruas: por uma São Paulo mais humana
Charles Groisman e a reconexão do homem com a natureza

Fotos: Daia Mistieri/Expedição Rios e Ruas

Publicado em Água, Córrego das Corujas, Convite, Horta na Mídia | 1 comentário

Bica da Horta das Corujas

por Andrea Valencio Pesek

Falta água em São Paulo? Pura ficção. Reativamos hoje a bica e é água que não acaba mais. Delícia ouvir o barulhinho da água caindo de novo.

Veja o vídeo clicando na imagem:

safe_image

 

Publicado em Água | Deixe um comentário