O que é compostagem

Fonte: Guia de Compostagem Caseira, por Raquel Ribeiro

Como transformar o lixo orgânico em húmus?

Na natureza esse processo se dá naturalmente. Galhos e troncos secos, folhas, flores,
dejetos e restos de animais mortos caem no solo e, com a ação da chuva, do oxigênio
presente no ar e dos agentes “decompositores”, viram húmus e nutrem a terra. Quem
mora na roça conhece esse processo e costuma jogar os restos orgânicos num buraco
na terra ou empilhá-los – e a natureza cuida do resto. Para o morador de cidade foram
criados os composteiros.

O que é um composteiro?

Construído de diversas formas e tamanhos (veja nas págs. 10 a 15), o composteiro é
uma pequena “usina” que acelera o ciclo natural de decomposição da matéria
orgânica, pois cria um ambiente propício para que os micro-organismos (fungos e
bactérias) e as minhocas trabalhem mais rápido. Vamos falar aqui apenas dos composteiros aeróbicos, que dependem da ação de bactérias que consomem oxigênio.

Como funciona o composteiro?

Ele fornece umidade e oxigênio para que os micro-organismos e minhocas tenham
melhores condições de transformar a matéria orgânica em húmus.

Quem são os agentes decompositores?

São as bactérias, fungos e minhocas que transformam o lixo em húmus. É uma reação
em cadeia: cada grupo dessa equipe prepara o caminho para o seguinte, convertendo
um material biodegradável complexo num material mais simples, que será consumido
pelo próximo. Se você observar um tomate maduro fora da geladeira por vários
dias vai perceber buraquinhos e manchas na pele. São os decompositores provocando
uma reação bioquímica, que envolve o trabalho de animais (aspecto biológico)
e uma modificação na estrutura do tomate (fator químico). A função dos pequenos
seres é transformar restos, como o tomate podre, em cálcio, magnésio, potássio, fósforo,
enxofre, ferro e outros nutrientes para o solo.

O que se coloca no composteiro?

Resíduos orgânicos produzidos na cozinha, horta ou jardim: aparas de grama, folhas
de árvores, cinzas e sobras de carvão, restos de verduras e frutas, casca de ovo, pó
de café, saquinho de chá, guardanapo de papel usado e restos de comida do prato.
Quanto às carnes, há restrições que abordaremos adiante. O composteiro perfeito
tem três vezes mais material rico em carbono do que material rico em nitrogênio.
Exemplos do primeiro grupo: capim, folha e grama. Materiais ricos em nitrogênio:
restos de alimentos e estrume. Um pouco de terra ou de composto pronto deve ser
incluído para garantir a presença dos micro-organismos e minhocas.

Pode galho de árvore, casca de coco, restos grandes?

Pode, mas cortados em pedaços. Quanto mais fragmentado o material, mais rápida
será a compostagem, pois haverá maior superfície para o ataque dos micro-organismos.
Ou seja, se possível, pique ou triture o material orgânico antes de depositá-lo
no composteiro. Em todo caso, quando for retirar o húmus, peneire a terra. O material
que ainda não estiver bem decomposto deverá voltar para o composteiro.

Saiba mais:
Guia de Compostagem Caseira, por Raquel Ribeiro
Minhocologia Avançada, por Claudia Visoni

Anúncios
Esse post foi publicado em Compostagem, Informação. Bookmark o link permanente.

3 respostas para O que é compostagem

  1. Pingback: Oficina de Compostagem Doméstica | Horta das Corujas

  2. Pingback: Este final de semana tem oficina de compostagem doméstica na Horta das Corujas « vilamundo

  3. Pingback: Conheça movimentos que promovem qualidade ambiental em SP « vilamundo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s